Você está em: Início > Notícias

Notícias

26/12/2018 - 11:22

Programa de Regularização Tributária Rural

Liminar autoriza produtor rural a usar prejuízo fiscal em parcelamento

Um produtor rural pessoa física obteve liminar para que a Receita Federal aceite créditos de prejuízos fiscais para o pagamento, por meio do Programa de Regularização Tributária Rural (PPR), de débitos da contribuição ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A decisão é da 5ª Vara Cível Federal de São Paulo, que afastou restrição restrição prevista em norma que regulamenta o parcelamento.


O contribuinte foi ao Judiciário contra o artigo 4º-A da Instrução Normativa RFB nº 1.784/2018. O dispositivo restringe às pessoas jurídicas a possibilidade de utilização dos créditos de prejuízo fiscal. Na petição, argumentou que a Lei nº 13.606/2018, que instituiu o parcelamento, não faz distinção entre pessoas físicas e jurídicas. A questão é tratada no artigo 8º.


De acordo com o processo, o produtor rural deixou de recolher a contribuição ao Funrural no período de outubro de 2013 a julho de 2017, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF), em fevereiro de 2010, considerou inconstitucional a cobrança. Sete anos depois, porém, os ministros mudaram de entendimento.


Com a alteração do posicionamento, o governo federal decidiu criar o parcelamento especial, que oferece descontos nos juros e multas e prazo de 176 meses. Antes, porém, o contribuinte tem que desembolsar 2,5% do valor da dívida. A Receita Federal estima que as dívidas com o Funrural somam cerca de R$ 17 bilhões - montante que poderá ser perdoado se aprovado projeto que tramita no Congresso.


Ao analisar o caso, a juíza federal Noemi Martins de Oliveira acatou a argumentação do produtor rural e afastou a restrição. "As instruções normativas possuem como finalidade a regulamentação das leis, nos limites por elas estabelecidos, não podendo inovar a ordem jurídica, impondo restrições não previstas em lei", diz a magistrada na decisão.


A liminar, segundo o advogado Eduardo Diamantino, que defende o produtor rural, serve de precedente para pessoas físicas na mesma situação. "O prejuízo fiscal é direito do contribuinte que exerce atividade rural. Pessoa física ou jurídica, não importa", diz. "Não pode haver distinção, sob o risco de desequilíbrio concorrencial."


O advogado Renato Vilela Faria, sócio do Peixoto & Cury Advogados, lembra que não é incomum esse tipo de situação. Recentemente, afirma, ocorreu no Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), criado pela Medida Provisória (MP) 783/17. A Instrução Normativa nº 1.711/17 vedou a inclusão no parcelamento de débito objeto de auto de infração lavrado com a multa qualificada de 150%, "previsão que excedia as restrições contidas na MP".


FONTE: Valor Econômico



Já viu os novos livros COAD?
Holding, Normas Contábeis, Perícia Contábil, Demonstrações Contábeis,
Fechamento de Balanço e Plano de Contas, entre outros.
Saiba mais e compre online!

Indicadores
Selic Jan 0,97%
IGP-DI Jan -0,27%
IGP-M Jan 0,07%
INCC Jan 0,27%
INPC Jan 0,57%
IPCA Jan 0,42%
Dolar C 27/02 R$4,95690
Dolar V 27/02 R$4,95750
Euro C 27/02 R$5,37670
Euro V 27/02 R$5,37790
TR 26/02 0,0627%
Dep. até
3-5-12
27/02 0,5122%
Dep. após 3-5-12 27/02 0,5122%